A vez da Google - Diário Económico

26 de Abril de 2016

Se amanhã surgir um motor de pesquisa melhor que o Google, naturalmente que captará as preferências dos consumidores, como fez o Google no passado. Se a concorrência funciona e os consumidores estão a beneficiar com isso, porquê intervir?

Costuma dizer-se que a história se repete. Se juntarmos a DG COMP da Comissão Europeia, a Microsoft e a Google, pode bem ser verdade. Depois de mais de uma década de batalha jurídica com a Microsoft, a Comissão Europeia parece agora virar agulhas para a Google. No espaço de um ano é a segunda vez que esta empresa é acusada de abuso de posição dominante, correndo um sério risco de lhe virem a ser aplicadas centenas de milhões de euros de coimas, além de outras penalidades. Foi o que sucedeu com a Microsoft, a quem a DG COMP impôs o pagamento de quase dois mil milhões de euros e ordenou a alteração de certas práticas comerciais.

Mas vamos ao caso. Na semana passada, a DG COMP acusou a Google de violar as regras de concorrência devido a práticas relacionadas com o seu sistema operativo Android. Para perceber a história, é necessário ouvir o “b-a-ba” sobre a tecnologia. Os dispositivos móveis, como os smartphones e os tablets, necessitam de um sistema operativo. Entre os fabricantes de dispositivos móveis há os que utilizam sistemas operativos próprios, como a Apple e a Blackberry, e os que procuram um no mercado. Para estes, as duas principais alternativas são: (i) adquirir, mediante o pagamento de um preço, uma licença à Microsoft para utilizarem o Windows; ou (ii) escolherem o sistema androide, da Google, que é de código aberto e gratuito. Esta é, sem surpresa, a solução mais popular.



Continuar a ler o artigo de opinião de Ricardo Bordalo Junqueiro no Diário Económico.



[Nota: O direccionamento pelo nosso site para sites de terceiros é feito na estrita medida de mera indicação, não se responzabilizando a Cuatrecasas, Gonçalves Pereira pelos respectivos conteúdos.]

Partilhar: 
Notícias relacionadas