Esta problemática assume especial relevância dada a incerteza da própria permanência do Reino Unido no Espaço Económico Europeu (“EEE”).

Em face do exposto, o que propomos com o presente artigo é, mais do que oferecer respostas, olhar às eventuais consequências do apelidado Brexit no âmbito da MiFID e da UCITS.