Cuatrecasas, Gonçalves Pereira lança nova prática de Direito Equestre

21 de Julho de 2015

A Cuatrecasas, Gonçalves Pereira, sociedade de advogados líder em Espanha e Portugal, lança uma nova área de prática jurídica, a de Direito Equestre, para dar resposta às necessidades de serviços jurídicos específicas do sector.

Com a criação deste grupo especializado, a Cuatrecasas, Gonçalves Pereira pretende aproximar os seus serviços de um sector económico muito relevante e que goza de projecção nacional e internacional, agregando um conjunto diversificado de aspectos de natureza empresarial, científica, médico-veterinária e desportiva muito importante na criação de valor económico.


Práctica multidisciplinar

O Direito Equestre abarcará toda a actividade económica gerada em torno da criação e comercialização de cavalos de raça, e das actividades hípicas.

A Cuatrecasas, Gonçalves Pereira conta com uma equipa que agrega valências em matéria fiscal, comercial, de propriedade intelectual, de direitos de imagem, laboral e das ciências da vida, aplicando-as aos temas do hipismo e à actividade de criação, compra, venda e patrocínio de cavalos de competição.

Esta abordagem multidisciplinar focada no sector possibilita uma assessoria personalizada e completa a empresários, atletas, criadores, proprietários de cavalos e gestores de coudelarias, centros hípicos e hipódromos. Haverá, também, capacidade para prestar assessoria jurídica em questões de financiamento, urbanismo e imobiliário para desenvolvimento de centros desportivos.

A Cuatrecasas, Gonçalves Pereira aposta assim, uma vez mais, na abordagem inovadora à prestação de serviços jurídicos. Os sócios Diogo Ortigão Ramos, em Portugal, e Franscisco Cavero, em Espanha, irão dirigir esta área.

Diogo Ortigão Ramos comenta: “O Cavalo em Portugal tem grande tradição; é uma fileira com grande vitalidade e abarca um conjunto complexo de actividades e intervenientes. Abrange, por isso, desafios interessantes e muito específicos do ponto de vista jurídico, muitas vezes negligenciados ou mal compreendidos pelos players do mercado.”


Uma fileira de peso e com fortes tradições

Da competição à equitação de lazer, passando pelas actividades tauromáquicas, criação e ensino, o cavalo é centro de toda uma actividade económica que abrange tanto a esfera empresarial (coudelarias, centro hípicos, etc.) como a esfera pública e associativa (feiras etnográficas, percursos de turismo equestre, etc.)

A European Horse Network (EHN) estima que o impacto total da actividade europeia em torno dos cavalos — criação, indústria, educação, investigação, eventos e jogo – possa representar mais de 100 mil milhões de euros. 

 

Partilhar: 
Notícias relacionadas